Zero Acidentes: saiba como acompanhar os trabalhadores nas atividades laborais

Manual da Segurança: tripe em alumínio com 2 pontos de encaixe
31 de Janeiro de 2019
Artigo: Como entrevistar os colaboradores envolvidos em acidentes de trabalho
6 de Fevereiro de 2019

Não raro, vemos alguns conceitos e exigências que circundam a segurança do trabalho sendo negligenciadas, contudo, temos que reconhecer que a aplicação dessas concepções não é algo simples e requer envolvimento dos gestores e funcionários de todas as hierarquias.

Especialmente no início de cada tarefa procura-se sempre interagir com os funcionários a fim que o trabalho seja desempenhado exatamente como o esperado. Mas não somente isso, também são passadas instruções de segurança que devem ser adotadas por todos praticantes daquela atividade.

A familiarização do funcionário com o ambiente de trabalho é uma necessidade que vai além de uma apresentação formal dos espaços. Ele deve estar completamente ciente de todos os riscos que se apresentam naquele local, de forma que ele seja capaz de exercer sua função mantendo sua saúde física, mental e moral.

Uma vez realizada essa apresentação formal, é de responsabilidade dos supervisores (prevencionistas) acompanharem de perto o trabalho de todos os colaboradores, identificando possíveis desvios ou falhas de processo que podem – naturalmente – acontecer.

Nesse sentido, é muito importante ter conhecimento do ambiente e da tarefa a ser realizada, levantando, então, a necessidade da realização de análise de risco criteriosa, além, claro, de programas educativos , empoderando os colaboradores da necessidade de  cuidado com o seu próprio bem-estar.

Isto é importante, pois somente funcionários que estão a par de seus direitos e deveres podem cobrar da empresa o cumprimento do mínimo disposto pela legislação vigente.

A IMPORTÂNCIA DA CAPACITAÇÃO DE TRABALHADORES

Nesse momento, vamos utilizar o exemplo de um trabalhador que desempenha suas atividades em alturas a fim de realizar a manutenção em cabos de alta tensão.

Nesse tipo de trabalho existem diversos riscos envolvidos, dentre eles, podemos destacar o risco de queda, risco de choques elétricos e também riscos ergonômicos.

O primeiro passo é treinar esse funcionário a respeito das particularidades do seu trabalho: uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) adequado, ações seguras, procedimentos operacionais padrão dentre outros detalhes a fim de evitar todos os riscos acima mencionados.

Outro ponto a destacar é a real exigência deste treinamento pela legislação vigente. Dentre elas estão a Norma Regulamentadora (NR) 35 e 10, elas dispõem sobre trabalho em altura e com energia elétrica respectivamente.

Dentre os motivos para o treinamento apontamos:

  • Redução de acidentes de trabalho;
  • Cumprimento dos deveres de empregador descritas na legislação;
  • Prevenção é muito mais vantajosa que remediar acidentes;
  • Valorização do trabalhador;
  • Maior produtividade;
  • Padronização dos procedimentos, padronizando também os resultados;
  • Criação e manutenção da cultura da prevenção dentro da empresa;
  • Dentre outros.

AVALIANDO O FUNCIONÁRIO

Após todo esse processo de treinamento é que entra a importância do acompanhamento do funcionário.

Uma vez que o mesmo esteja capacitado para desempenhar sua função, ele deve ser constantemente acompanhado a fim de comprovar que realmente está apto fisicamente e psicologicamente.

Claro, essa atividade não deve carregar um estigma negativo, ligado a punição, mas sim de caráter prevencionista e ligado ao respeito pela sua função e integridade física – uma política que deve estar enraizada na cultura da empresa.

Quer saber mais sobre como acompanhar o trabalho de seus colaboradores ou outros temas relacionados à Segurança do Trabalho? Deixe uma sugestão via e-mail ou pelo Facebook e aproveite para entrar em contato conosco para tirar dúvidas.

E-mail: marketing@bunzlepi.com.br

Lembre-se: sempre verifique o CA antes de usar o EPI.