Artigo: é possível reduzir custos e acidentes ao mesmo tempo?

Guia da Prevenção: 03 principais problemas de saúde desenvolvidos no trabalho
21 de Maio de 2019
Hora da Segurança: Luva arco elétrico categoria 4
23 de Maio de 2019

Muitos indivíduos acreditam que a diminuição de custos não é necessariamente uma aliada da segurança do trabalho, contudo, a história não é bem assim. Enquanto algumas medidas podem ser vistas diretamente como um investimento, outras já resguardam a empresa contra ações indevidas.

Uma empresa disposta a investir na segurança de seus colaboradores além de auxiliar na criação de um ambiente em que o trabalhador se sinta valorizado, também constrói uma cultura de segurança enraizada na prestação de serviço.

Investir em segurança do trabalho é algo certo de ter um bom retorno! Contudo, a empresa deve sempre contar com uma assessoria especializada para guiá-la nas ações corretas.

Pronto para descobrir como reduzir custos e também acidentes a partir de alguns investimentos inteligentes? Bem continue lendo esse texto, vamos abordar tudo sobre isso!

ONDE INVESTIR E ONDE ECONOMIZAR MANTENDO A SEGURANÇA?

Certamente o corte de gastos é algo que deve ser feito de forma cautelosa, afinal, ao suspender a compra de produtos como Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) ou mesmo cortar orçamento para ações como a Semana da Prevenção de Acidentes de Trabalho é como dar “dois passos para trás”.

Primeiro, a Norma Regulamentadora (NR) 06 determina que é de responsabilidade do empregador adquirir e fornecer o EPI adequado para o desenvolvimento das atividades dos funcionários. Contudo, essa é uma situação específica e nosso objetivo nesse texto é apresentar uma visão geral do assunto.

Podemos tomar como economia investimentos imediatos que resultem em economias futuras.

Um exemplo muito interessante de como isso pode acontecer segue:

Segundo uma matéria de 2016 do Fundacentro do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) as Lesões por Esforços Repetitivos (LER) ou os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) atingem cerca de 3,5 milhões de trabalhadores.

Caso um colaborador adquira essa doença – pessoas que trabalham muito tempo digitando, por exemplo – apresentará limitações ao desenvolver as suas lesões no começo dos sintomas. Mas em casos mais graves e avançados, o funcionário pode ser afastado por tempo indeterminado.

Certamente o valor de um ou alguns trabalhadores afastados é muito maior que o valor do investimento para a prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos.05

Por isso, uma medida cabível para resolver o problema dado acima, seria abordar na SIPAT (Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho) assuntos como LER e  a sua prevenção de forma muito simples:

  • Postura correta;
  • Adequar o posto de trabalho para cada indivíduo (cadeiras, mesas…);
  • Ter um ambiente de trabalho saudável e sem estresse;
  • Estimular hábitos de vida saudáveis;
  • Praticar exercícios laborais; dentre outros.

Além disso, pessoas que trabalham sentadas também têm maiores riscos de desenvolver trombose, por exemplo, uma condição que pode ter consequências sérias e, que resultam inclusive em aposentadoria por invalidez. Mais uma vez, um grande prejuízo para empresa e danos indescritíveis ao trabalhador.

Tudo isso poderia ser evitado por uma simples rotina de ginástica laboral.

COMO ECONOMIZAR INVESTINDO?

Bem, nossos exemplos acima já deixaram claro a importância de um pensamento voltado a segurança ocupacional não importando a área de atuação da empresa ou do colaborador. Agora, vamos falar sobre o que é preciso para economizar em um médio e/ou longo prazo.

A resposta chave para isso é a informação. Esta pode tomar inúmeras formas, desde um mapa de risco onde é possível identificar onde ações corretivas/preventivas podem ser aplicadas ou mesmo por um relatório detalhado feito por um profissional de segurança do trabalho.

Vale lembrar aqui que para ter dados confiáveis é necessário ter o profissional certo e com a especialidade certa fazendo o levantamento. Afinal de contas, essas informações devem ser fidedignas e também relacionadas com a legislação vigente, uma vez que a empresa pode estar em falha com essa.

Algumas ações que podem ser realizadas são:

  • Levantamento e estudo do ambiente de trabalho deixando claro as possíveis causas de doença do trabalho;
  • Aplicação de medidas corretivas/preventivas aos riscos identificados;
  • Análise retrógrada dos acidentes de trabalho, ou seja, avaliar o que causou os acidentes;
  • Palestras e outros momentos educativos voltados completamente à segurança do trabalho;
  • Inserção de Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) e de EPIs adequados ao risco.
  • Registrar e acompanhar a legislação vigente;
  • Avaliações eventuais do estado de saúde (psicológico e físico) do trabalhador;
  • Registro das ações corretivas e também otimização daquelas que deram certo;
  • Sempre contar com o feedback dos colaboradores, afinal, são eles que estão expostos aos riscos;
  • Registro de todos os dados exigidos pela legislação vigente.

Para deixar ainda mais palpável o último tópico, daremos outro exemplo: o uso de sistemas biométricos para registrar a entrega de EPIs.

A NR 06 determina que é função do empregador “registrar o seu fornecimento [de EPI] ao trabalhador, podendo ser adotados livros, fichas ou sistemas eletrônicos.”

Caso a empresa não faça o registro da entrega dos EPIs aos seus funcionários e aconteça um acidente de trabalho a mesma está sujeita a um processo trabalhista por irresponsabilidade.

Sendo assim o investimento em um identificador de digitais junto ao software que gerenciará os dados ou mesmo um sistema de fichas de EPIs é o suficiente para evitar processos indevidos e, por diante, grandes prejuízos.22

Depois de todos esses dados e dos argumentos utilizados você ainda acha que investir em segurança do trabalho é perda de dinheiro? Muito pelo contrário, com uma perspectiva um pouco além do agora, em um médio ou mesmo longo prazo, isso fará com que a empresa reduza os custos e também os acidentes de trabalho.

Quer saber mais sobre redução de acidentes e acidentes? Deixe uma sugestão via e-mail ou pelo Facebook e aproveite para entrar em contato conosco para tirar dúvidas.

E-mail: marketing@bunzlepi.com.br

Lembre-se: sempre verifique o CA antes de usar o EPI.