Zero Acidentes: Realize a DDS dentro da sua empresa
9 de Abril de 2019
Manual da Segurança: Chuveiro Lava-Olhos
11 de Abril de 2019

Certamente você encontra bastante quando está lendo ou mesmo conversando sobre segurança do trabalho a expressão “riscos ambientais”. Até mesmo aqui no blog já falamos bastante sobre isso, seja de maneira específica ou mais genérica.

Mas você sabe exatamente o que é isso? Bem, saiba que esse é um dos termos mais importantes quando falamos sobre esses assuntos, tanto que, existe uma Norma Regulamentadora (NR) totalmente dedicada ao mesmo!

Pronto para aprender mais sobre esse assunto? Continue lendo esse texto, vamos falar tudo o que precisa saber sobre essa temática!

A NR 09 E O PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

A NR 09 estabelece os a obrigatoriedade da implementação de uma Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) com o objetivo de preservar a saúde e a integridade dos trabalhadores.

Mas o que são os riscos ambientais?

Em um primeiro momento essa expressão havia sido utilizada na Portaria n.º 3.214 de 08 de junho de 1978, a mesma que aprovou as próprias normas. Em seguida a Portaria nº 25 de 29 de dezembro de 1994 do extinto Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e hoje a NR 09 traz o texto que define o conceito desses riscos:

“Para efeito desta NR, consideram-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador.”

Existem ainda alguns riscos que fogem da definição desta NR, estes são os riscos ergonômicos e o de acidentes, também chamados de mecânicos.

AS 5 CLASSIFICAÇÕES DOS RISCOS AMBIENTAIS

Para deixar tudo ainda mais didático, iremos definir os 05 tipos de riscos apresentados:

    • Riscos Físicos: são formas de energias que o trabalhador pode estar exposto durante as suas atividades, essas são diversas como, radiação ionizante, som, luz, dentre outras que possam gerar acidentes ou doenças ocupacionais;
    • Riscos Químicos: tratam-se de substâncias, compostos ou produtos que possam causar malefícios ao indivíduo, não importa qual seja a via de contato, quer seja pela respiração, ingestão ou mesmo contato físico;
    • Riscos Biológicos: qualquer atividade que exponha o trabalhador a microrganismos tais como protozoários, bactérias, vírus, etc. Possivelmente patológicos, não importando a via de contaminação;
  • Riscos Ergonômicos: a ergonomia estuda a relação do homem com os seus instrumentos de trabalho, levando em consideração aspectos psicológicos e fisiológicos, quando há um desequilíbrio nessa relação existe também o risco;
  • Riscos Mecânicos: os riscos mecânicos estão relacionados às atividades que possam envolver máquinas e equipamentos em geral que ponham os trabalhadores sobre a eminência de um contato lesivo, configurando o próprio acidente de trabalho.

Esses são ainda divididos em grupos e cores que estas são amplamente utilizadas na sinalização de segurança do trabalho.

  • Grupo 1 (verde): riscos físicos;
  • Grupo 2 (vermelho): riscos químicos;
  • Grupo 3 (marrom): riscos biológicos;
  • Grupo 4 (amarelo): riscos ergonômicos;
  • Grupo 5 (azul): riscos mecânicos.

Dessa forma, fica fácil chegar a conclusão que qualquer fator que exista no ambiente de trabalho que tenha o potencial de ser nocivo ao trabalhador pode ser considerado um risco e classificado em uma destas 5 categorias.

A importância do reconhecimento e classificação dos riscos ambientais

Os riscos ambientais e o PPRA são intimamente ligados, dessa forma, para criar um ambiente de trabalho seguro é necessário realizar a identificação e o reconhecimento dos mesmos.

Existem algumas etapas que permitem que um programa de prevenção seja assertivo. Elas são:

  • Antecipação

Ela está junto a fase de planejamento e envolve a análise de projetos e instalações, os métodos e também os processos de trabalho previstos, prevendo os riscos envolvidos na área de atuação da empresa.

Nesse momento já é possível classificar também os riscos e inclusive optar por utilizar substâncias menos nocivas, por exemplo, diminuindo o risco químico.

  • Identificação

Depois que o projeto é executado, passa-se por um reconhecimento de todos os agentes ambientais presentes e que podem afetar a saúde dos trabalhadores. Isso implica no levantamento de tudo que está envolvido no processo e, não somente, a classificação dos riscos para que posteriormente ações corretivas sejam aplicadas, minimizando ou neutralizando esse risco.

  • Avaliação

Nesse momento é realizada o dimensionamento dos riscos para a segurança de acordo com a sua classificação. Aqui é possível tirar conclusões sobre o quão potencialmente perigosa as situações encontradas no ambiente de trabalho são.

Dessa forma, também é determinado a magnitude, frequência e a duração que os trabalhadores ficam expostos ao estímulo nocivo. Dados esses que irão ser muito importantes na hora de determinar as medidas prevencionistas aplicadas.

  • Prevenção e controle

Aqui nada mais é que a implementação de tudo que foi pensado na fase anterior. Aplicando as estratégias para eliminar ou reduzir os riscos ambientais, levando em consideração as consequências da exposição, o número de trabalhadores expostos, dentre outros fatores.

Não somente, também é necessário realizar o acompanhamento dessas medidas, afinal de contas, é preciso avaliar constantemente a sua eficácia a fim de garantir a segurança de todos os colaboradores inseridos naquele ambiente.

O MAPA DE RISCO

Não somente, classificar e avaliar os riscos também servem para a elaboração do mapa de risco. Este é responsável por indicar, em toda a empresa a presença ou não desses perigos e também a sua intensidade.

Dessa forma, é simples ver como identificar e classificar os riscos dentro do ambiente de trabalho é algo necessário. Não somente irá ajudar a aplicar medidas preventivas, como também são dados valiosos para geração de métricas para a avaliação da segurança do trabalho.

Quer saber mais os riscos ambientais e sua classificação? Deixe uma sugestão via e-mail ou pelo Facebook e aproveite para entrar em contato conosco para tirar dúvidas.

E-mail: marketing@bunzlepi.com.br

Lembre-se: sempre verifique o CA antes de usar o EPI.